05/10/2015

INICIATIVAS PÚBLICAS VISAM DEMOCRATIZAR ACESSO ÀS NOVAS EM TODO O PAÍS E FACILITARA INCLUSÃO EM PLENA ERA

Disseminar as modernas tecnologias da informação, em uma sociedade em que o conhecimento é protagonista, também é uma forma de garantir cidadania. E o poder público tem papel fundamental nisso. Em umpaís de dimensões continentais como o Brasil, governo federal, estados e municípios se mobilizam para tentar garantir a inclusão digital de uma parte da população que ainda desconhece os benefícios oferecidos por essa janela aberta para o mundo. No âmbito federal, o governo se articula para implantar, em 2016, a Política Nacional de Inclusão Digital. A iniciativa terá quatro eixos: prover infraestrutura de internet e tecnologias de informação e comunicação (TICs), geração de conhecimento, articulação de redes colaborativas e governança do sistema. O diálogo entre poder público e sociedade civil também começa a ser desenhado.

As metas são revitalizar pontos de inclusão digital e ampliar a infraestrutura deacesso à rede. Asações serão implementadas por meio do programa Banda Larga para Todos e do trabalho dos Centros de Recondicionamento de Computadores. O primeiro tem como enfoque a expansão de redes de fibra óptica, que hoje chegam a menos da metade dos municípios brasileiros. Já o segundo é parte do projeto Computadores para Inclusão, voltado para a capacitação de jovens de baixa renda. O programa tem laços estreitos com a educação, já que os computadores reformados são cedidos para escolas, bibliotecas e outros projetos de inclusão digital. Estabelecer uma conexão entre empreendedorismo e inclusão digital também figura entre os objetivos federais. Uma das iniciativas para viabilizar essa ligação é o Concurso de Aplicativos e Jogos Eletrônicos (INOVApps), que está em sua segundaedição. Dos933 projetos deaplicativos e jogos inscritos neste ano, 529 foram aprovados e continuam na disputa pela premiação.

Cem projetos de aplicativos para smartphones e TVs conectadas receberão R$ 50 mil cada um. A ideia é estimular a criação de novas empresas e consolidar a produção científica e tecnológica da área SÃO PAULOCONECTADO As iniciativas de combate à exclusão digital também ganham outras esferas. No estado mais rico do País, por exemplo, o governo implantou, em 2000, o Acessa São Paulo. A finalidade é ajudar no desenvolvimento social, cultural, intelectual e econômico dos paulistas, facilitando o acesso às novas tecnologias da informação e comunicação, conforme a descriçãodo programa, coordenado pela Subsecretária de Tecnologia e Serviços ao Cidadão. "O posto do Acessa SP é um lugar importante para encontrar uma oportunidade no mercado de trabalho, mas não só pela chance de fazer e publicarumcurrículo na web, como também por ter acesso a uma rede de pessoas", enfatiza a assistente administrativa da Subsecretária de Tecnologia e Serviços ao Cidadão do Estado de São Paulo, Cibele Franzese.

Para colocarem prática a proposta, o projeto mantém espaços públicos com computadores e acesso gratuito à internet. Ao todo, são 851 postos em funcionamento, distribuídos por 600 municípios paulistas. Dos cerca de três milhões de usuários registrados, 40% têm entre 15 e 29 anos. Mais da metade (54%) utiliza os postos para buscar emprego, e 76% têm renda familiar de até dois salários mínimos. "Buscamos uma trilha de conteúdos e links que contribua para o desenvolvimento dos que buscamumlugar no mercadodetrabalho",completa aassistente administrativa, que compara ainda a oportunidade oferecida pelo programa a uma "janela para o mundo." PROJETO PREMIADO No âmbito municipal também há exemplos de iniciativas públicas de acesso às novas tecnologias. Em Cascavel (PR), por exemplo, o Projeto Ensino de Programação para alunosdo 4 o e5 o anodo ensinofundamental ganhou destaque nacional ao conquistar, no ano passado, o prêmio A Rede de Inclusão Digital, na categoria Capacitação e Formação, modalidade Setor Público.

A iniciativa teve início em 2012, com o treinamento de instrutores de informática.No ano seguinte, o projeto começou a ser aplicado nas escolas do município. Segundo a prefeitura de Cascavel, a cidade também investe no projeto Escola.com, disponibilizando netbooks para trabalhos em aula. Um dos objetivos é promover o ensino da programação de forma lúdica. TECNOLOGIAS DIGITAL

Fonte: O Estado de S. Paulo