23/03/2015

As vendas de tablets no Brasil totalizaram 9,5 milhões de unidades no ano passado, o que representa um crescimento de 13% comparado aos 8,4 milhões de tablets comercializados em 2013, segundo dados da IDC Brasil. Desse volume, 96% das vendas foram para o consumidor final e 4% para o mercado corporativo. Os resultados ficaram abaixo da projeção da consultoria, que esperava a comercialização de pelo menos 10 milhões de unidades no país em 2014.

“O tablet já não é mais uma novidade e há uma ‘canibalização’ do mercado, principalmente pelos lançamentos de phablets. Isso, aliado a má experiência de uso de aparelhos de baixa qualidade, impactou o desempenho”, afirma Pedro Hagge, analista de pesquisas da IDC Brasil. Hagge também destaca que o Carnaval fora de época, a Copa do Mundo, as eleições e a alta do dólar no fim do ano refletiram nas vendas de tablets em 2014.

Com relação às vendas por faixa de preço, a que mais se destacou no período foi a de tablets de até R$ 500, com cerca de 85% dos aparelhos comercializados. Dispositivos que custavam entre R$ 500 e R$ 1000 representaram 10%, e os acima de R$ 1000, apenas 5% do volume total de vendas.

Considerando o quarto trimestre de 2014, foram comercializados cerca de 3 milhões de tablets. Na comparação com o mesmo período de 2013 não houve crescimento, porém, em relação ao trimestre anterior, o mercado teve alta de 30%.

Para 2015, a consultoria prevê retração de 3% do mercado e vendas de 9,3 milhões de tablets. "A nossa projeção está mais conservadora por conta das incertezas que rondam os projetos de educação que serão implementados pelo governo federal, da volatilidade do dólar e pela própria conjuntura econômica”, explica Hagge.

Fonte: Teletime