05/12/2014

Claro, Vivo, TIM e Algar assinaram nesta sexta, 5,os termos de autorização para uso da faixa de 700 MHz em cerimônia que aconteceu na sede da Anatel em Brasília, com a presença do ministro Paulo Bernardo. Na opinião do ministro, em quatro anos a tecnologia de quarta geração vai ser predominante na banda larga móvel.

"Eu aposto que em quatro anos o 4G vai ser a modalidade predominante debanda larga móvel.Asempresas sabem disso e pagaram barato. Não que o 3G vá desaparecer, pelo contrário, vai ficar melhor, porque vai desafogar", declarou o ministro.

Vale lembrar que o ministro Paulo Bernardo ainda não acertou todas as suas apostas sobre o desempenho do 4G. No lançamento dos serviços, em abril do ano ano, Bernardo e João Rezende, presidente da Anatel, fizeram uma aposta que o 4G ia terminar o ano com 4 milhões de acesso.Na verdade, esse número chegou a pouco mais de 1 milhão.

Além de previsões, o ministro aproveitou a ocasião para tecer elogios à Anatel, especialmente em relação ao trabalho de licitação da faixa que, como se sabe,envolve asaída daradiodifusão. Paraele, aAnatel conduziu esse processo "de forma primorosa". "A Anatel fez um trabalho de engenharia, mas também de diplomacia. Nós tivemos disputa entre dois setores grandes. De um lado a radiodifusão, setor presente, onipresente, de prestígio, aguerrido", enumerou."O seto rde telecom édinâmico etem crescido acima da média da economia e vai investir esse ano quase R$ 30 bilhões".

Essa cifra, mencionada por Bernardo, não inclui os R$ 5 bilhões que as teles pagaram pela faixa. Até setembro, as teles investiram R$ 19 bilhões, o que foi 8% a mais em relação ao mesmo período do ano passado, de acordo com o SindiTelebrasil. A tarefa de equilibar os interesses dos dois setores, para o ministro, foi como impedir a briga de dois elefantes. "Tenho conversado com os dirigentes dos dois setores e eles dão conta que isso foi muito bem conduzido", disse ele.

Gired e EAD

Assinados os termos de autorização, Anatel e teles têm agora um prazo de 30 dias para constituírem o Grupo de Implantaçãodo Processo de Redistribuição e Digitalização (GIRED). Segundo o presidente da Anatel, João Rezende, o grupo será constituído em cerca de duas semanas. Depois da constituição do Gired, as teles têm mais 90 dias para criarem a Entidade Adminsitradora da Digitalização (EAD) que será a instância operacional de todo o processo. S

egundo apurou este noticiário, as conversas para constituição da EAD estão sendo conduzidas, por enquanto, no nível mais elevado das operadoras, com o objetivo de criar uma empresa com o máximo de agilidade e eficiência e evitando qualquer tipo de influência política ou vazamento de informações.

Avalia-se, entre as empresas de telecomunicações, que a melhor forma de evitar a pressão política que as emissoras de TV tentarão colocar sobre os trabalhos da EAD é fazer com que ela seja "mais rápida que o GIRED", nas palavras de uma fonte das empresas.

Fonte: Teletime