18/11/2014

As assinaturas de planos de telefonia para smartphones em todo o mundo vão mais que dobrar até 2020 e ajudar a impulsionar um projetado aumento de oito vezes no tráfego de dados móveis, revela estudo da Ericsson, divulgado nesta terça-feira, 18/11.

O levantamento aponta que vão existir 6,1 bilhões de assinaturas de planos para smartphones no mundo todo até o final de 2020, acima dos 2,7 bilhões projetados para 2014, à medida que mais pessoas em mercados emergentes compram smartphones baratos em vez de telefones básicos. Perspectiva é que daqui a seis anos, 90% da população mundial acima de seis anos tenha um smartphone.

O estudo projeta ainda um aumento de oito vezes no tráfego de dados móveis entre 2014 e 2020, enquanto, em junho, a previsão era de um crescimento de dez vezes entre 2013 e 2019. A diferença é explicada por um maior ponto de partida em 2014, pontuou o gerente de projeto do relatório, Peter Jonsson.

O uso maior de dados móveis por conta de smartphones, impulsionado principalmente por vídeos, está contribuindo para o aumento esperado. A modalidade de vídeo deve aumentar a sua quota no tráfego móvel global para 55% em 2020, contra 45% em 2014, disse a Ericsson.

No Brasil, 52% dos usuários utilizam os telefones celulares para navegar na internet, 49% para acessar as redes sociais e 29% para assistir vídeos curtos. Para comunicação diária, 53% dos brasileiros preferem utilizar mensagens instantâneas – ao invés da tradicional mensagem via SMS. Mas, para chamadas telefônicas, 79% ainda preferem fazer as ligações tradicionais.

“O Mobility Report mostra que, em 2020, o mundo estará conectado como nunca esteve antes”, prevê Jesper Rhode, diretor de Marketing da Ericsson na América Latina. O crescimento de smartphones continua: no 3º trimestre desse ano, 65% a 70% de todos os telefones vendidos eram smartphones, em comparação aos 55% no mesmo período de 2013.

Apesar do aumento da taxa de vendas, que deverá ter a adição de cerca de 800 milhões de novas assinaturas de smartphones até o final de 2014, o relatório mostra que ainda há muito espaço para o crescimento no setor. Esses aparelhos representam, atualmente, apenas 37% de todas as assinaturas móveis, o que significa que muitos usuários ainda trocarão seus modelos atuais por opções mais ricas em recursos e com acesso à internet.

Fonte: Convergência Digital