28/08/2014

A Vivendi vai entrar em conversas exclusivas com a Telefónica, informou nesta quinta-feira, 28/8, a empresa francesa que se reuniu para avaliar as duas propostas pela brasileira GVT. Antes dessa discussão, a operadora espanhola avisara ter subido a oferta para 7,45 bilhões de euros (R$ 22 bi), superando os 7 bilhões de euros (R$ 21 bi) da Telecom Italia.

“A oferta da Telefónica se ajusta melhor aos objetivos estratégicos e financeiros do grupo”, anunciou a Vivendi. Além da parte em dinheiro, de 4,6 bilhões de euros (R$ 13,6 bi), a proposta da Telefónica inclui uma participação de 12% da operação brasileira combinada, dos quais cerca de um terço pode ser trocado por uma participação de 5,7% na Telecom Italia se Vivendi assim desejar.

A Telecom Italia formalizou a proposta de 7 bilhões de euros, ou R$ 21 bilhões. Assim como a oferta rival, nesse caso a compra também aconteceria por meio de pagamento em dinheiro e ações. A ideia seria unir a TIM Brasil com GVT. A fusão também daria à Vivendi 20% do controle da Telecom Italia.

A seguir, a íntegra da nota da Vivendi sobre o negócio:

"Ofertas para aquisição da GVT: Conselho Supervisor decidiu entrar em negociações exclusivas com a Telefónica"

A Vivendi recebeu ofertas da Telefónica (dias 4 e 28 de agosto) e da Telecom Italia (28 de agosto) para aquisição da GVT.

A oferta da Telecom Italia representa um total de €7 bilhões. Ela inclui uma parte em dinheiro (€ 1,7 bilhão), uma parte em ações da Telecom Italia (16% do capital e 21,7% do controle) e uma parte em ações da TIM Brasil (15%).

A oferta expira em 20 de setembro de 2014. A aquisição da GVT seria submetida à reunião de acionistas da Telecom Italia e a Telecom Italia teria uma cláusua de saída em caso de perda significativa de valor da GVT.

A oferta da Telefónica de 28 de agosto representa um valor total de € 7,45 bilhões. Ela inclui uma parte em dinheiro (€ 4,66 bilhões) assim como uma parte das ações da Telefônica Brasil (12%) das quais cerca de um terço podem ser trocadas por escolha da Vivendi por 5,7% do capital e 8,3% do controle da Telecom Italia. Essa oferta expira em 29 de agosto de 2014.

À luz da estratégia do Grupo e no melhor interesse de seus acionistas, o Conselho Supervisor decidiu entrar em negociações exclusivas com a Telefónica ao mesmo tempo em que enfatiza a relevância e qualidade da oferta da Telecom Italia.

O desinvestimento na GVT vai permitir a venda da última empresa de telecom completamente pertencente à Vivendi depois de se desfazer da Maroc Telecom e SFR.

A oferta da Telefónica é considerada particularmente atrativa, gerando um ganho de capital de mais de € 3 bilhões. As outras condições da oferta, que limita em risco mínimo a execução da operação assim como os compromissos da Vivendi após a venda, estão em linha com os objetivos da Vivendi.

O acordo entre Telefónica e Vivendi permitiria o desenvolvimento de projetos conjuntos em conteúdo e mídia. Adicionalmente, se assim desejar, a Vivendi pode se tornar acionista na Telecom Italia pela troca de ações brasileiras por italianas.

A oferta da Telefónica se ajusta melhor aos objetivos estratégicos e financeiros do Grupo. A Vivendi começa uma nova fase em seu desenvolvimento para se tornar um grupo industrial integrado focado em mídia e conteúdo. Seu objetivo é perseguir seu desenvolvimento pelo crescimento orgânico de suas subsidiárias e em colaboração próxima entre elas, o que não impede o grupo de tomar posições minoritárias em companhias aliadas de distribuição de conteúdo.

O Conselho Gestor vai submeter a oferta da Telefónica aos relevantes representantes dos empregados."

Fonte: Luís Osvaldo Grossmann - Convergência Digital